Make your own free website on Tripod.com








OCULTISMO&UMBANDA

YESHUA BEN CHAI !














início | significado | forças ocultas | entidades | trabalhos | mediunindade | santos e orixás | firmeza | porquê? | história do cristianismo | significado dos sonhos | numerologia | mentora espiritual | exu? | relatos | perfil dos orixás | numeroliga e simbologia religiosa | entidades e guias | Yeshua ben | orações e preces | anjos | o quinto evangelho | contato





figface3d.jpg
imagem da marca impressa no tecido usado como sudário. Impressão nítida em 3d .

Jesus Cristo vive!!!

Segue abaixo breve texto de José Humberto Cardoso Resende, sobre o "homem do sudário". Uma polêmica de mais de 2 mil anos. Seria o homem coberto de feridas tão profundas realmente Yeshua (Jesus)? Quem assistiu ao filme de Mel Gibson "The Passion of Christ" (A paixão de Cristo), que tire suas conclusões, pois todas as chagas e feridas sofridas, uma a uma que o filme retratam são literalmente retiradas dos estudos feitos do santo sudário. Apesar dos testes feitos em laboratório constatando erro na data de fabricação do pano através do exame do carbono14, cientistas descobriram através de análises microscópicas entre as entranhas do linho, sementes (esporos) de uma espécie de flor do campo que só existiam em regiões da antiga Palestina (Jerusalém), que por casualidade se extinguiu nesta exata época. Sendo assim, a polêmica persiste. Várias teorias já foram feitas. Entre os cientistas a mais provável seria a de que o homem no sudário não passaria de um fanático religioso que por fé teria se sujeitado a ser flagelado como tinha sido Jesus Cristo. Esta tese também cai por chão pois na idade em que o teste do carbono14 diz ter sido confeccionado o tecido, não haviam testemunhas nem mesmo escrituras para q se baseassem no tipo de tortura a ser empregada. Hoje sabe-se também através de estudos que o tecido não foi pintado pois há uma marca (espécie de marca d'água) impressa no tecido, de um homem por inteiro.
Recentemente, descobriu-se também com estudos que haviam moedas nos olhos, que arqueologistas dizem ser de costume judeu desta época. Até mesmo o desenho da cunha da moeda bate com as moedas descobertas somente agora em escavações arqueológicas.
O santo sudário é mesmo real.
















o_rosto.jpg
impressão em negativos que serviu de base para estudo do verdadeiro rosto

tligimage.jpg
transição através de montagem computadorizada, retirando so ferimentos.

Naquele tempo os judeus não tinham o hábito de guardar roupas ou panos sujos com sangue, mas na madrugada de domingo da Páscoa de Jerusalém do ano 33 d.C, Maria Madalena e suas amigas foram ao sepulcro de Jesus para prestarem a última homenagem ao Mestre. Passariam perfume e bálsamo sobre o corpo do Senhor, cumprindo o ritual judaico.
Chegando lá, viram o túmulo sem Jesus, a pedra rolada para o lado e os panos vazios. Jesus havia ressuscitado conforme as profecias. O pano que envolveu o corpo de Jesus de Nazaré no sepulcro chama-se Sudário, que ficou guardado por fiéis e reis, e passou por várias cidades e países até estar na cidade de Turim, na Itália, em 14 de setembro de 1578.
Após a descoberta da fotografia e a revelação por Secondo Pia, em maio de 1898, durante o papado de Leão XIII, observou-se o grande milagre da inversão negativo-positivo da fotografia do Santo Sudário. As fotos, os exames e os estudos do linho nos mostram um novo Evangelho.

Das feridas da cabeça os espinhos colocados em Jesus simbolizam a consciência libertada pelo sofrimento de Cristo livrando-nos dos pecados. A mente livre nos induz às boas ações e pensamentos puros e limpos. O arrependimento pela ofensa a Deus e ao Filho por mais de setenta agulhadas dos espinhos pontiagudos da planta "ziziphus spina", substituindo a verdadeira coroa de um Rei que merecia todas as esmeraldas e brilhantes por ter aberto as portas do reino do outro mundo, onde habita Deus. "Pai, perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem". Na mais alta agonia do calvário, ensinou-nos o perdão. Os olhos arroxeados por socos e pontapés da quinta-feira à noite, cerrados e serenos, contemplam a nossa alma e nos oferece o arrependimento e o perdão da mesma forma que fez com Pedro e tantos outros. A grandeza do perdão interior dos pecados da Terra, das injustiças, fome, doenças, traições... oferecendo-nos uma nova visão dos homens para que possamos vislumbrar as alegrias ofertadas ao mundo sem pecado, resgatado pelo olhar do Messias do alto da cruz. As dores das pauladas (alapas) sobre a cabeça do Mestre, chama-nos à conversão, transformando corações petrificados pelo mal e pela guerra, em corações do bem e da paz.
Bem-aventurados os homens que ouvem a palavra deixada pelo Senhor, surgida da boca emoldurada de sangue que clamou por água no calvário e recebeu vinagre e fel. O inacreditável aconteceu àquela boca que nos ensinou o verdadeiro sentido da vida nas linhas dos Evangelhos.

Olhando para os lábios fechados de Jesus no Sudário, podemos sentir que a grande oratória do Sagrado Linho é o silêncio de Jesus. A sede reclamada na sexta-feira da paixão, hoje, nos revela como sede de amor, de verdade, honestidade, tolerância, arrependimento, justiça e caridade. "Bem-aventurados os puros de espírito ...". Bem aventurados os que acreditarem nos ensinamentos do Sudário, prova nítida de Jesus ressuscitado.
Lembramos dos ensinamentos do bem, da palavra sadia, da oração: "Pai nosso que estais nos céu, santificado seja o Vosso nome...". Que através da força da oração, brota a fé viva, a mesma que fez o cego enxergar, o aleijado a andar e nos ensinou o caminho a seguir: "Vá e não peques mais". A barba ensopada de sangue e arrancada pelo carrasco durante uma das quedas da Via Sacra emoldura a face do Homem mais desenhado, pintado e fruto de devoções, conversões e motivo de admiração dos convertidos.

A Sagrada Face de Jesus, amada de João, Terezinha, Francisco e Clara deve servir de espelho para que não voltemos a pecar e a ofender a Deus, iluminando as nossas faces para podermos contemplar uma nova vida, onde a saúde seja completa de corpo e alma. Que a voz que clamou no deserto clame forte através do Sagrado Linho e ecoe nos corações, não permitindo-nos ofender jamais Nosso Senhor Jesus Cristo.
Bem-aventurados os que crêem nas palavras do Evangelho proferidas pelos apóstolos e confirmadas pelo Homem do Sudário pela constatação do maior sofrimento visto aplicado a um inocente até hoje. Braços retalhados pelas chicotadas de um "flander" com três correias de couro e em cada ponta duas bolas de chumbo. Cada filete de sangue escorrido nos lembra o profissional carpinteiro que com estes braços sustentou sua mãe Maria após a morte do pai José. Braços fortes que transformaram madeira em móvel e puxou a rede de peixes no Rio Jordão, e hoje nos conclama a encher a rede com almas redimidas. Força física transformada em força do bem que impede o sacrifício de carneiros em honra a Deus por ter se oferecido ao Pai, para a salvação de todos os irmãos. Irmão, que na verdade, era Filho, que na verdade era Pai e que com a união com o Espírito Santo forma a Santíssima Trindade. Mãos perfuradas pelo cravos que só ficaram paralisadas pelas marteladas no patíbulo, pau transverso da cruz, mas que mesmo assim nos abençoou deixando-nos a recordação da Santa Ceia, a Santa Missa, ao levantar o pão e o vinho, pedindo-nos que fizéssemos isto em Seu nome: "Este é o meu corpo... Este é o meu sangue..." que é a nossa Eucaristia. Mãos benditas que abençoam os filhos de todas as raças e pedi-nos que continuemos com o trabalho de evangelização.

As feridas dos ombros causadas pelo patíbulo que pesava mais de 70Kg, pau transverso da cruz, o qual foi carregado na Via Sacra, é o símbolo do fardo retirado pelo Mestre de nosso ombros causado pelo pecado original. Feridas dolorosas que em carne viva nos clama a trabalhar com alegria, cumprir nossa tarefa com resignação e perseverança. Esse é o documento incomum do sofrimento injusto por uma causa redentora. Joelhos feridos pelas quedas sobre as rochas de Jerusalém que ensina-nos a levantarmos de nossas quedas e ficarmos de pé quantas vezes forem necessárias para continuarmos o caminho para o céu.
Pés descalços perfurados por um cravo grande fixado no lenho terminando a crucificação do Homem Santo, luz do mundo e redentor da Terra. Por que nos ensinara o caminho, a firmeza e a retidão de conduta e a direção correta nas alegrias e nas tristezas da vida. O Sudário, documento do sangue derramado por Jesus de Nazaré, é a Relíquia viva da paixão do Senhor, da morte e da ressurreição.

Na crueldade da morte por flagelo, suplício e crucificação de Jesus, nasce pela ressurreição e esperança de uma nova vida que a relíquia documenta como obra do maior artista do mundo, formado pela Pontifícia Universidade do Céu, obra da Ciência Divina, cujo autor é Deus.

verdadeirorosto.jpg
Este seria o verdadeiro rosto do homem do sudário, com cor de olhos e cabelos sugeridos na bíblia